RFID: o que é e como auxilia na cadeia de distribuição

RFID
RFID: o que é e como pode ajudar!

Se você costuma fazer compras em supermercados, com certeza, já deve ter passado pelo transtorno das filas do caixa, certo? Agora, já imaginou o quão prático poderia ser, em poucos segundos, ter todos os produtos do carrinho lidos pelo sistema de pagamento? Com a tecnologia RFID, este desejo está próximo de se tornar realidade.

A Identificação por Radiofrequência – ou RFID – se refere às tecnologias que utilizam radiofrequência para rastrear ativos. Isso significa que este recurso não necessita da apresentação direta do código ao leitor. A poucos metros do equipamento já é possível efetuar a leitura.

Em resumo, é uma evolução do código de barras – uma vez que oferece muitas outras vantagens para as empresas que a utilizam. Dentre elas, podemos citar a agilidade para rastrear estoques na cadeia de distribuição.

Quer saber em detalhes o que é RFID e como seu uso contribui para aperfeiçoar a cadeia de distribuição? Continue a leitura! 

Leia também: Embalagens Inteligentes no mercado PET!

O que é RFID?

O RFID – sigla em inglês para Radio-Frequency Identification – é uma tecnologia em que o leitor captura os dados digitais, codificados em etiquetas RFID, por meio de ondas de rádio. Para isso, não há necessidade de apresentação da etiqueta diretamente ao mecanismo de leitura. Tudo pode ser feito a alguns metros de distância.

Seu funcionamento é simples: as leituras são feitas por meio da interação (acoplamento) das etiquetas RFID com um transponder, que envia, recebe, amplifica o sinal com os dados de determinado produto. Dessa forma, ao alcançar o transceptor, que faz a tradução das ondas recebidas, as etiquetas o refletem ou enviam o seu próprio sinal.

Na prática, podemos dizer que é um código de barras mais eficiente, uma vez que os dados da etiqueta RFID são lidos fora da linha de visão. Isso significa que não é necessário passar por um scanner óptico para que todo o processo descrito acima aconteça. Dentro de um perímetro já há troca de informações.

Com isso, os produtos são automaticamente identificados e a coleta de dados, assim como a inserção no sistema, acontece de forma automática, isto é, sem  intervenção humana.

Onde usar RFID?

Imagine a possibilidade de pagar o pedágio – ou estacionamentos – apenas ao se aproximar da cancela? Isso sem a necessidade de fazer qualquer tipo de transação na maquininha de cartão. Isso lhe soa familiar? Sim, o famoso ‘Sem Parar’, que desde 1992 já havia sido implantado nos pedágios da Noruega, no Brasil uma tecnologia um tanto quanto recente, utiliza o mesmo RFID para facilitar uma ação que, hoje, tornou-se bastante eficiente. De certo, esta é uma das aplicações mais comuns da tecnologia. Ainda existem muitas outras oportunidades.

Uma vez que é possível capturar informações em distâncias maiores e, até, em movimento, as etiquetas inteligentes se tornam uma opção viável para a gestão de produtos dentro da cadeia produtiva. Determinados processos limitam o uso do código de barras e processos por leitura óptica. Por isso, trazer o RFID agrega agilidade e, acima de tudo, eficiência ao ecossistema.

Podemos citar também outras maneiras de usar RFID, tais como:

  • Controle de estoque e inventário
  • Gestão da cadeia de distribuição
  • Recebimento de mercadorias
  • Vendas mais ágeis
  • Fluxo de e-Commerce

Vantagens da identificação por radiofrequência

O RFID é uma tecnologia com alta capacidade para processar, armazenar, ler e disseminar os dados coletados. Isso a transforma em um agente importante para o desenvolvimento da cadeia produtiva – desde a fabricação até a distribuição de produtos.

Contar com um recurso que detecta informações e faz a contagem de vários itens ao mesmo tempo é apenas uma das vantagens. Como resultado, isso dá agilidade no processo de expedição e confere melhorias no controle e gestão de estoque.

Sua integração representa, definitivamente, a possibilidade de mitigar riscos relacionados a roubos e falsificações. Um problema este que gera milhões de reais em prejuízos para a economia nacional, todos os anos.

Conclusão

Como vimos, a etiqueta RFID tem um vasto mercado para ser implementada. Alguns exemplos são: na indústria farmacêutica, alimentícia, de suprimentos de tecnologia, entre outros.

E tem como finalidade aperfeiçoar a cadeia de distribuição, de maneira que tenha mais agilidade e segurança para gerenciar o estoque até chegar ao consumidor final. Consequentemente, essas melhorias refletem na potencialização de processos e lucros.

Agora que você já conhece a etiqueta RFID, quer saber como a solução pode ajudar o seu negócio? Entre em contato com um de nossos especialistas para tirar suas dúvidas. O SINCPRESS oferece consultoria completa e tem amplo conhecimento de tecnologias modernas para a sua empresa.